Participe você também do Fórum REVIL. Faça o seu cadastro! Navegue entre as seções, crie tópicos ou participe das discussões.
As primeiras mensagens após o cadastro passam por aprovação da Equipe REVIL antes de se tornarem públicas!
Já viu a análise de Alan Wake Remastered que fizemos? Clique aqui e leia 🔦. E que tal um DETONADO? Tem também - clique aqui e acesse! Imagem

Análise - Alan Wake Remastered (PS4)

Fale sobre assuntos relacionados ao mundo dos jogos em geral. Valem discussões sobre consoles (Sony, Microsoft, Nintendo) e PC - inclusive com peças, setups - entre outros. Notícias e debates são bem-vindos. Encontre também jogadores entre as plataformas.
Avatar do usuário
DryPortes
Mensagens: 13
Registrado em: 17 Dez 2020, 00:07
x 1

Análise - Alan Wake Remastered (PS4)

Imagem

Originalmente Alan Wake foi lançado para Xbox 360 em 2010 e era um título exclusivo da Microsoft. Foi muito elogiado pela crítica e indicado para prêmios na época.

Desenvolvido pela Remedy, que hoje em dia é conhecida por ter feito sucesso com outros jogos também, como: Quantum Break, os dois primeiros Max Payne e mais recentemente Control. A desenvolvedora é muito boa em misturar ação com uma excelente narrativa em seus jogos.


Alan Wake sob Controle!

Graças a quebra da exclusividade com a Microsoft finalmente um dos melhores títulos de Survival Horror chega para os jogadores do PlayStation.

Para aqueles que não sabem, Control Ultimate trouxe em uma de suas DLCs, intitulada AWE, a interligação dos universos, ou melhor dizendo, nos mostrou que ambos se passam no mesmo universo.

Vamos contextualizar um pouco as coisas. Em Control jogamos com Jasse Faden que trabalha para uma instituição do governo que estuda casos extraordinários. Tudo que acontece de estranho e inexplicável pelos Estados Unidos o Departamento Federal de Controle (ou FBC - Federal Bureau Control) toma conta e faz uma investigação minuciosa, para poder entender e controlar esses eventos. Faden é justamente a nova diretora desse departamento secreto do governo.

Imagem

Durante a própria campanha principal já existem diversas referências ao antigo título da Remedy. Encontramos colecionáveis que mencionam o ocorrido em Bright Falls, itens e até easter eggs.

Nessa DLC, o próprio Wake contata de forma indireta Jesse Faden. Ele acredita ter encontrado um jeito de se libertar de sua prisão, mas não sem a ajuda da atual diretora da FBC. Outro personagem essencial na trama de Alan Wake, o Dr. Emil Hartman aparece por lá para dar mais ênfase nessa união de universos e deixar os fãs empolgados e com a pulga atrás da orelha.

Control não veio como um título exclusivo para a caixinha verde, então acredito que essa decisão de tornar Alan Wake multiplataforma já estava nos planos da empresa. Afinal a versão remasterizada e sem exclusividade chegou ao mercado 1 ano depois do lançamento de Control Ultimate.

Com toda certeza a Remedy tem planos futuros para os dois jogos e esse universo expandido que nos apresentaram, e que eu aguardo ansiosamente para ver no que vai dar. O melhor é que tudo aponta que não terá mais nada de exclusividade, alegria para todos os jogadores!

O início do pesadelo

Vamos voltar a focar apenas em nosso escritor perturbado. Wake é um famoso e bem sucedido escritor de romances, que anda sofrendo a dois anos com um bloqueio criativo e pesadelos horrendos. Para descansar e tentar superar seu bloqueio, ele e a esposa Alice resolvem tirar férias em uma pacata cidadezinha do interior, Bright Falls.

Imagem

Imagem

Infelizmente para Wake seus pesadelos se tornam realidade. Após uma briga com Alice no chalé onde passariam suas férias, o escritor acorda 1 semana depois sem saber o que aconteceu e sem pistas sobre sua esposa. A partir deste momento a escuridão de seus pesadelos passam a persegui-lo na vida real. Todo e qualquer lugar que não esteja com ao menos um feixe de luz, está fadado a ser emboscado pela terrível escuridão.

Sem entender bem como, Wake acabou escrevendo um novo manuscrito. Aos poucos ele vai encontrando algumas páginas de sua obra, que narram uma aventura dele mesmo. Ou melhor, o pesadelo em que ele está vivendo agora. Enquanto busca ajuda após acordar de um acidente de carro, o famoso escritor percebe que uma escuridão sobrenatural possui as pessoas e objetos.

O jogo conta com 6 episódios, onde acompanhamos a busca incessante de Wake para resgatar sua esposa e entender o que diabos está acontecendo em Bright Falls e o que é essa escuridão maligna que o persegue.

Imagem

Imagem

Os mistérios que são aos poucos revelados ao melhor estilo de uma série de TV, foi muito bem orquestrado. Mesmo que na época de seu lançamento original estivesse em alta, jogos divididos por episódios, Alan Wake não é só mais um do estilo, ele passa bastante a impressão de ser uma daquelas séries de suspense e mistérios dos anos 90, inclusive. Os episódios também nunca saíram de forma individual como com Life is Strange ou então os Resident Evil Revelations. Apesar de dividido desta forma, não há a necessidade da compra separada, todos os episódios já estão inclusos dentro do jogo.

A Remedy criou uma excelente história, super envolvente e enigmática, que te prende do começo ao fim. É muito difícil terminar um episódio e não querer começar logo o próximo para descobrir tudo que cerca a obscura Bright Falls e o escritor Alan Wake. De longe o enredo é o melhor de todo o jogo!


Através da Escuridão

Mesmo agora, mais de uma década depois, Alan Wake não apresenta uma jogabilidade travada ou ultrapassada. Os comandos respondem bem e são bem fluidos na medida do possível.

Munido de sua melhor arma, uma lanterna, que Wake usa para dissipar a escuridão de seus inimigos e torná-los tangíveis para que as armas de fogo possam matá-los, é uma das melhores ideias do jogo. Literalmente a luz contra a escuridão.

Graças a isso, não é apenas chegar e sair atirando no que aparecer pela frente, é necessário um planejamento de como enfrentá-los, já que é preciso enfraquecê-los antes de dar fim às suas existências.

O único porém disso é que não existe exatamente um comando de mira para atirar nos inimigos, isso faz com que desperdiçamos um pouco de munição durante nossas lutas. Provavelmente o maior defeito seja esse mal mapeamento do uso das armas e da lanterna. O L2/LT que geralmente é a mira para as armas, é o foco da lanterna, que sim, também dá pra ser usado como "mira", só que, a lanterna funciona a base de bateria, que ao ser focada vai se esgotando. Então, mirar com a lanterna para usar a arma nem sempre é uma boa. O R3 é o controle da lanterna (e da câmera), com ele você a movimenta para onde quiser, inclusive é por seu feixe de luz que deve se orientar para saber onde disparar com sua arma.

Imagem

Apesar de meio estranho no começo, não é difícil de se acostumar. O problema acontece mesmo na hora de enfrentar os inimigos, é lanterna que mira, câmera pra um lado, Alan correndo pro outro, a lanterna balançando pra tudo quanto é direção e ainda temos que disparar. Só uma mirinha ali já resolvia 90% do problema.

Vale ressaltar também que alguns comandos e mapeamento do controle, principalmente para o controle de veículos foi alterado. Ficando mais condizente com os mapeamentos de botões atuais. Mas isso é bem normal em remasterizações e convenhamos, muito bem vindo e útil.

Outro ponto negativo é o fato de não existir uma barra de stamina mostrando o cansaço do personagem. Ao mesmo tempo em que ele ficar cansado e não aguentar mais correr ou se esquivar, é extremamente interessante, é também um pouco frustrante, por não poder ter este “controle” sem uma barra para nos orientarmos. Mas isso também mostra que o personagem é só um cara "comum" que não faz nenhuma peripécia ou é treinado em artes marciais. Infelizmente como não há uma barra, não é possível fazer um controle de seu fôlego, apenas é possível tentar estimar quando Wake ficará cansado. E nas horas de combate isso é essencial. Poder correr e ter uma visão melhor de seus inimigos ganhando certa distância, ou então ficar cansado e não ser capaz de se esquivar adequadamente, prejudicam bastante os combates.

Hora de falar da melhor coisa desse jogo - fora a história, claro -, os colecionáveis!
Existem vários colecionáveis disponíveis, alguns deles com referências a um antigo programa de TV chamado Twilight Zone - que no jogo se chama Night Springs -, que mostraram situações extremamente bizarras e em preto e branco. E outros que estão lá para expandir ainda mais a história, como programas de Rádio, de TV (fora o Night Springs) e principalmente os manuscritos. O mais interessante é como a história de Alan Wake é contada. Encontrar manuscritos e ler eles é fenomenal. Nós temos um vislumbre da história e de como ela acontece. Já que aos poucos somos regados com os acontecimentos futuros descritos nestas páginas perdidas. Essa pequena amostra nos deixa intrigados de como realmente acontecerá esses eventos futuros. E a maneira em que o próprio Wake narra sua infeliz aventura é brilhante. Ele é o narrador e também o personagem principal, intercalando seus pensamentos com sua narração fatídica da própria história trágica.


Ótima remasterização

Olha, dá pra contar nos dedos os jogos que tiveram uma remasterização tão boa quanto a de Alan Wake.

Eles realmente melhoraram tudo, as texturas, iluminação, resolução e até os modelos gráficos dos personagens. É quase irreconhecível o novo Alan Wake se comparado com sua antiga versão em 2010. O jogo está mesmo muito bonito agora, porque eu devo confessar… não gostei nada dos gráficos quando joguei a primeira versão. Outros títulos da mesma época e até antes, do começo da geração possuíam um capricho maior. Mas graças a tecnologia, agora Alan Wake está muito mais agradável aos olhos.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagens do Canal ElAnalistaDeBits

Mas sabem qual a melhor coisa da remasterização? Sim meus queridos, Alan Wake ganhou localização para o português! São apenas legendas, não houve dublagem, mas já ajuda demais aqueles que não entendem inglês ou espanhol. E diga-se de passagem, ficou muito boa.

Graças a remasterização também está incluso as 2 DLCs (The Signal e The Writer) que expandem ainda mais a história do escritor após o término da campanha. Infelizmente esta versão não conta com o Spin-Off série, American Nightmare.


Alan acorde!

Desculpa, não podia faltar o trocadilho com o título…
Alan Wake é uma das melhores misturas de ação com survival horror. Ele apresenta uma ótima história, narrativa super envolvente, personagens carismáticos de todas as espécies possíveis. Não falta nada, desde o bobão brincalhão, até aquele personagem chato que só aparece pra gente odiar. Como dito antes, a jogabilidade tem seus altos e baixos, mas vale bastante a pena parar para apreciar essa obra que é Alan Wake!


Nota: 9/10


Prós
+ Excelente enredo
+ Remasterização de qualidade
+ Localização em português
+ Personagens carismáticos

Contras
- Não existe barra de stamina
- Falta de mira para armas de fogo

O jogo foi analisado no PlayStation 4 em cópia digital adquirida pelo REVIL. O texto não representa a opinião do REVIL como um todo, e sim da autora da análise no Fórum REVIL.
Responder